Páginas

15 de janeiro de 2012

Reforma íntima, Cerrado e amor

Canela-de-Ema. Foto de Alessandro Abdala
O espírito deve ser cultivado como um campo... como o cerrado típico, ameaçado pelo descuido humano, mas que contem em seu íntimo o gérmen da regeneração....
... esse gérmen é o amor.
Fogo no Cerrado
Foto de Ecodebate: Cidadania e Meio Ambiente



A vegetação do Cerrado apresenta diversas paisagens florísticas diferenciadas... e a passagem do fogo (aquela natural, não provocada pelo homem) é essencial para a existência do Cerrado que se transforma posteriormente num verdadeiro jardim, onde as diferentes espécies vão florescendo em seqüência.





 
Todos os prazeres da alma dependem do trabalho atual, da reforma íntima, da busca e esforço para vivenciar e sentir de forma verdadeira sentimentos e virtudes dignas do amor.
.... O gérmen do amor se desenvolve e cresce com a moralidade, com a inteligência e com a dor, ou melhor, com o cansaço de sentir dor.
Como e para que se preocupar apenas com a própria felicidade? Que benfeitoria faria pro mundo e para si mesmo? É a lógica natural das coisas: a interação dos fatores que atuam sobre esta e de que ela depende. Conexões biogeofísicas, biogeoespírituais.... o gérmen coexiste.

“O homem, nos ensaios do amor, tem muita vez se equivocado. Pelo amor a personalidades eminentes, atingiu vidas, destroçando outras tantas vidas. Contudo, o amor é de essência divina. Do que se conclui que, em momento algum, por nenhum motivo, pode se tornar arma fratricida ou motivo de dissensão”.
 Necessitamos de afeições sinceras e duráveis, que vos ajudam a percorrer a difícil e dura estrada da existência humana. Para a busca da felicidade, continuemos nos renovando como o Cerrado, nos esforçando para exercer a caridade, a humildade, a paciência, a dedicação, a abnegação, a resignação e o sacrifício que são virtudes filhas do amor. 

 O Amor não causa dor, infelicidade de outrem. Se por vez, causar, todavia, não existe.

 Beijos!!

  Daniela Lemos Ferreira

6 de janeiro de 2012

Não Há Ano Novo Sem Progresso

Não Há Ano Novo Sem Progresso

O Ano não se renova pela passagem do dia de reveillon, e sim pelo progresso. Começo assim, minhas palavras de hoje com um sentimento muito bom no peito, o desejo de que nesse ano, no qual ocorrerá a Eco-2012, ou seja, Rio + 20 anos depois da primeira Conferência Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, o mundo possa dar mais um passo na caminhada pela sustentabilidade através do intercambio de idéias e chegada a novos consensos.

Em 1992, na Conferência da ONU, diversos países assinaram documentos fundamentais em prol da sustentabilidade. A RIO-92 foi um marco, pois promoveu na área política mundial o debate ambiental. A Rio 92 auxiliou na ampliação da conscientização ambiental internacional e melhora no reconhecimento da responsabilidade em maior grau dos países desenvolvidos perante a poluição ambiental.

Triste saber que 2011 foi o ano Internacional das Florestas e o Brasil, visto como liderança e país exemplo na área ambiental, sediou verdadeiras tragédias: como o processo de construção de Belo Monte e a aprovação no Congresso Nacional do novo Código Florestal.

Por essas e outras não podemos esperar apenas grandes Congressos Mundiais que são igualmente importantes, mas que sozinhos não são suficientes para alcançar a sustentabilidade. Lutemos aqui e agora por uma vida digna, onde a esperança não se parta quando nos debatemos com a corrupção e a ganância dos homens. Isso tudo porque a consciência, o senso moral nasce mesmo é dentro da alma.

Não vou desejar que 2012 seja o ano perfeito, onde as questões ambientais sejam completamente resolvidas. Mas que este ano supere os anos anteriores e que:

- Mais pessoas aprendam a se aproximar umas das outras com respeito, carinho, e se unir com coragem e entusiasmo para angariar forças para fazer a nossa parte e cobrar dos nossos “representantes” políticos atenção à necessidade do coletivo, do social, do meio ambiente, da economia, enfim, da sustentabilidade.

- Mais políticos se incluam no item anterior, como pessoas. Muitos parecem não fazer idéia em quanto os bens materiais nada valem e que obter amor, respeito, carinho de alguém de verdade, sem interesse, é o que mais nos dá aquela leveza gostosa no peito, quando nos sentimos verdadeiramente bem. É a sensação de cumprir o nosso dever de forma respeitosa que nos eleva.

Que as pessoas, as associações, Instituições, órgãos públicos e privados se interajam de forma harmônica. Há muito por fazer local e globalmente. O desafio da Rio + 20, por exemplo, é imenso diante a economia global e necessidade de conscientização e aderência de diversos países. Será a tentativa de acordos mundiais e esperança, quem sabe, de fortalecimento da constitucionalização de seus princípios e garantias na legislação de cada país, de acordo com sua especificidade. Também é um grande desafio nos policiarmos e procurarmos dentro de nós uma reforma intima adquirir conhecimento, levantar ao cair, voltar a sorrir e trabalhar quando somos humilhados, ensinar com exemplos e palavras aos outros a também fazer o bem ao planeta, isso inclui fazer o bem ao próximo. Enfim, continuar agindo corretamente mesmo quando estivermos desanimados, quando o outro ainda não colabora, quando você acha que é pouco, muito pouco e não vale a pena. Saiba que vale e muito, pois é o que soma!

Com carinho, Lhe desejo progresso interno, local e global.

Daniela Lemos Ferreira
Diretora de Ciências e Tecnologia
Instituto Atitude Sustentável



“Seja a mudança que você quer ver no mundo.” (Mahatma Gandhi)


Este texto foi disponibilizado para irádio http://iradio.liveradio.com.br/site/ na coluna sustentabilidade de Rodolfo Fernandes.

Para conhecer mais sobre o trabalho do Instituto Atitude Sustentável:
Acesse o nosso blog: